Como Aproveitar Momentos Ociosos: Aprendendo Novas Línguas

Como uma boa hiperativa que se preze, não consigo ficar quieta só vendo o tempo passar. E para evitar o caminho procrastinador, malígno e sem volta de me entregar a joguinhos inúteis e viciantes tipo Candy Crush ou simplesmente me largar no sofá vendo uma série atrás da outra (enquanto faço algo no celular, é claro), achei uma opção interessante e gratuita de ócio criativo: aprender uma lingua nova.

Duolingo: Perfil do Curso Francês

Menina aplicada no curso de francês do Duolingo

No meu caso, eu já estava querendo aprender francês, oui!, mas como um curso de idiomas tradicional é caro, exige tempo (que eu não tenho agora), procurei alternativas online de graça e achei o Duolingo. É super simples, comecei usando pelo navegador do notebook mesmo, mas depois que descobri que tinha aplicativo para celular (iPhone e Android), o negócio mudou do status de projeto para “pronto, tou fazendo”.

Pela mobilidade, eu consigo fazer a minha aulinha mesmo quando eu estou debaixo das cobertas com preguiça de viver enfrentar o frio ou durante o intervalo de algo na TV. É um robô que pronuncia as coisas, ele tem até algumas lições em que você tem que falar as frases para serem avaliadas, fiquei surpresa com tanta coisa para uma iniciativa de graça. O ponto negativo, para mim, é que o curso é inglês-francês, o que me enrola um pouco porque não fixa tanto como se fosse em português, (tem outros que são português-outralingua) mas só de aprender alguma coisa e ter uma base, vale muito a pena (já falei que é de graça?). Não vou aprender a pronunciar certinho, mas pelo menos ler em francês já parece menos difícil e consigo entender algumas coisas na TV. Além de tudo, o lado bom de estar aproveitando um tempo que eu gastava com, basicamente, inutilidades e procrastinação.

Bem facinho de usar no iPhone

Bem facinho de fazer as aulas do Duolingo no iPhone

Aí ontem, por coincidência, assistindo palestras aleatórias do TED Talks no Netflix, descubro que o Duolingo é do Luis von Ahn, o mesmo cara que inventou o CAPTCHA (aquele textinho torto que a gente tem que escrever em formulários pra validar a nossa condição de ser humano). Sabe os reCAPTCHAs que tem duas palavras para confirmação? Então, eles servem para ajudar a digitalizar livros antigos – o que os computadores não entendem, você decifra para eles. Basicamente o cara pensou em como usar 10 segundos desperdiçados da vida de um monte de gente para fazer alguma coisa melhor – solução criativa e colaborativa.

O Duolingo foi o mesmo esquema, só que ele nasceu da necessidade de traduzir o conteúdo da internet para outras linguas, tipo o Wikipedia, por exemplo. Quando você faz as aulas de tradução de texto no Duolingo, você aprende com conteúdos reais e torna esses conteúdos acessíveis a pessoas que falam o idioma que você estuda. No fim das contas, você se torna um tradutor que é pago com conhecimento e um aluno que paga o curso com o seu tempo.

Não deixe de ver esse TedTalks do Luis von Ahn sobre Colaboração Online em Grande Escala. É rapidinho e vale a pena :)

 

Simplesmente genial! Nessas horas eu fico pensando como a gente não foi preparado para pensar nesse tipo de coisa, como esse esforço colaborativo é altamente positivo. O cara consegue fazer uma “boa ação” compartilhando conhecimento sem ignorar as necessidades comerciais para viabilizar a ideia. Precisamos de muito mais desse tipo de coisa.

Uma ideia sobre “Como Aproveitar Momentos Ociosos: Aprendendo Novas Línguas

Pronto, comenta!